ilustríssima


Descrição de chapéu Livros ilustríssima conversa forças armadas O que separa o discurso bolsonarista da propaganda da ditadura, segundo Carlos Fico Para historiador, ressentimento move conservadores hoje, enquanto militares nutriam utopia do 'país do futuro'
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

    • Copiar link

6.abr.2024 às 7h00

  • Ouvir o texto

Eduardo Sombini

Doutor em geografia pela Unicamp, é repórter da Ilustríssima

Mesmo quem nasceu depois do fim da ditadura provavelmente tem na cabeça alguns dos slogans ou das canções criados pelo regime militar.

“Este é um país que vai pra frente”, “Ninguém segura este país” e “Brasil: ame-o ou deixe-o” continuam ecoando quase 40 anos depois da redemocratização, o que indica que a propaganda do governo autoritário teve êxito em seus objetivos.

Para o historiador Carlos Fico, isso se deve, sobretudo, à forma como a ditadura militar mobilizou um imaginário nacional muito arraigado, que vinha se constituindo desde o período colonial: a visão otimista que concebia o Brasil, em razão das riquezas naturais ou da persistência do seu povo, como um país destinado à grandeza.

Professor da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e pesquisador do regime militar, Fico acaba de lançar uma nova edição de “Reinventando o Otimismo” (FGV Editora), livro que examina como a ditadura mobilizou os discursos otimistas sobre o Brasil para criar uma propaganda que parecia despolitizada, evitando a memória das experiências do Estado Novo e do nazifascismo.

Na entrevista, o autor afirma que as campanhas do regime encapsulavam a ideia, dominante entre os militares, de que a sociedade brasileira precisava ser tutelada pelas Forças Armadas para que o país pudesse se desenvolver.

Fico também compara a utopia de grandiosidade da ditadura, que imaginava um futuro brilhante para o Brasil, e os discursos atuais de círculos do bolsonarismo e da extrema direita, centrados na restauração dos valores de um passado visto com nostalgia.

A propaganda da ditadura e os setores que aderiam a ela se inseriam em uma visão —seja por natureza manipulatória, seja por convicção genuína— otimista de grandiosidade do Brasil, enquanto que a perspectiva dos setores conservadores de direita e de extrema direita que culminaram no governo Bolsonaro tem uma perspectiva mais de ressentimento. Esse ressentimento dos setores conservadores e de direita tem a ver com uma manipulação de valores que dizem respeito ao que nós, democratas, consideramos como avanços e que, para eles, são problemas, são ameaças —dizem respeito ao universo de valores éticos, morais e culturais que hoje em dia são pejorativamente chamados de valores identitários

Carlos Fico

professor de história da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro)

O Ilustríssima Conversa está disponível nos principais aplicativos, como Apple Podcasts, Spotify e Stitcher. Ouvintes podem assinar gratuitamente o podcast nos aplicativos para receber notificações de novos episódios.

O podcast entrevista, a cada duas semanas, autores de livros de não ficção e intelectuais para discutir suas obras e seus temas de pesquisa.

ic_save

ic_share

Leia Mais Ícone fechar

Voltar

Voltar

Voltar

Compartilhe

Já participaram do Ilustríssima Conversa Fernando Pinheiro, sociólogo que discutiu como imagens de escritores se mesclam em seus livros, Guilherme Varella, para quem o Carnaval de rua é um direito, Christian Dunker, que se contrapõe à conceituação da psicanálise como pseudociência, Rodrigo Nunes, professor de filosofia que propõe pensar a política como ecologia, Betina Anton, autora de livro sobre os anos do médico nazista Josef Mengele no Brasil, Marcelo Medeiros, que discutiu a concentração de renda no país, Larissa Bombardi, geógrafa que pesquisa o uso de agrotóxicos, Flavia Rios, coorganizadora de dicionário de relações étnico-raciais, Bruno Paes Manso, autor de obra sobre os valores difundidos por facções criminosas e igrejas pentecostais, Gabriela Leal, antropóloga que estuda cultura hip-hop e grafitti, entre outros convidados.

A lista completa de episódios está disponível no índice do podcast. O feed RSS é https://folha.libsyn.com/rss.

  • compartilhamento Especial

    Assinantes podem liberar 7 acessos por dia para conteúdos da Folha

    Assinantes podem liberar 7 acessos por dia para conteúdos da Folha

    Assinantes podem liberar 7 acessos por dia para conteúdos da Folha

    ASSINE ou FAÇA LOGIN

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

    • Copiar link

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

  • ditadura
  • ditadura militar
  • forças armadas
  • ilustríssima conversa
  • Jair Bolsonaro

sua assinatura pode valer ainda mais

Você já conhece as vantagens de ser assinante da Folha?Além de ter acesso a reportagens e colunas, você conta com newsletters exclusivas (conheça aqui).Também pode baixar nosso aplicativo gratuito na Apple Store ou na Google Play para receber alertas das principais notícias do dia.A sua assinatura nos ajuda a fazer um jornalismo independente e de qualidade. Obrigado!

sua assinatura vale muito

Mais de 180 reportagens e análises publicadas a cada dia. Um time com mais de 200 colunistas e blogueiros. Um jornalismo profissional que fiscaliza o poder público, veicula notícias proveitosas e inspiradoras, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?

ASSINE POR R$ 1,90 NO 1º MÊS

  • Envie sua notícia
  • Erramos?

Endereço da página

  • https://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/2024/04/o-que-separa-o-discurso-bolsonarista-da-propaganda-da-ditadura-segundo-carlos-fico.shtml
Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Termos e condições Todos os comentários Comente Comentar é exclusividade para assinantes.
Assine a Folha por R$ 1,90 no 1º mês
Compartilhar

  • Facebook
  • Twitter

Responda Denuncie