Como o “WSJ” mantém jornalista na Rússia em evidência

da esportenet*Por Sarah Scire

da esoccer bet: O dia 29 de março marcou o aniversário de 1 ano da prisão injusta do repórter Evan Gershkovich na Rússia. O jornal onde trabalhava, o norte-americano Wall Street Journal, diz que não descansará até que ele seja libertado.

publicidade

Assim como foi descrito em uma série de editoriais e reportagens recentes, Gershkovich trabalhava como correspondente em Moscou com visto oficial do governo russo, quando se tornou o 1º jornalista americano a ser acusado de espionagem na Rússia desde a Guerra Fria.

Na esperança de trazer atenção ao caso, amigos, familiares e colegas de Gershkovich estão se juntando a outros jornalistas e apoiadores para maratonas de Bruxelas a Hong Kong ou para ler sobre o caso por 24 horas seguidas, enquanto demandam a libertação imediata do repórter.

Gráinne McCarthy, editora-chefe digital internacional do WSJ, faz parte da equipe que trabalha para libertar Gershkovich. Ela falou sobre a estratégia por trás do que o jornal chama de “ativações” para Gershkovich nos escritórios de Londres onde ele trabalhou.

“Lembro-me que muito cedo, depois de Evan ter sido detido na Rússia e colocado nesta prisão em Moscou, tínhamos uma editora-chefe relativamente nova [Emma Tucker]”, disse McCarthy. “Sua reação instintiva foi: ‘Vamos fazer barulho’. Acreditamos firmemente que fazer esse barulho é valioso em várias frentes diferentes.”

“Fazer Evan sentir que não foi esquecido é algo extremamente importante para nós”, disse McCarthy, observando que isso também era importante para sua família. “É um estímulo para eles ver que estamos tão ativos quanto podemos.”

O WSJ não tem contato direto com Gershkovich, disse McCarthy. Em vez disso, o veículo conta com advogados de uma empresa russa que podem visitá-lo “praticamente todas as semanas”, além de e-mails encaminhados por autoridades russas e o que dá para ver das aparições no tribunal.

Os e-mails –que voluntários ajudam a traduzir, conforme exigido, para o russo– permitem que Gershkovich, de 32 anos, ouça sobre o mundo exterior e jogue xadrez (muito lentamente) com seu pai.

Para ajudar a garantir a sua libertação, o WSJ trabalha para divulgar a história de Gershkovich o mais amplamente possível. Afinal, diferentes partes de sua formação e detenção se conectarão com pessoas diferentes.

Os jovens leitores voluntários do time de futebol da antiga escola de Gershkovich, em Nova Jersey, se destacaram para McCarthy. Outros ficaram comovidos ao ouvir que Gershkovich repetiu a frase “jornalista credenciado” como “um escudo mágico” quando os seus pais, que emigraram da União Soviética para os EUA, expressaram preocupação pela sua segurança.

Para mim, foi o apelo de sua irmã no Philadelphia Inquirer –Pensando em um lugar vazio onde meu irmão mais novo deveria estar? Lágrimas imediatas.

“Queremos que todos sintam que estão envolvidos na solução aqui”, disse McCarthy.

O maior objetivo de manter a história de Gershkovich visível é manter o “timing” com o governo dos Estados Unidos, explicou McCarthy. O WSJ acredita que a “melhor aposta é que isso termine em algum tipo de troca de prisioneiros”, disse ela.

O Departamento de Estado dos EUA declarou que Moscou “não forneceu nenhuma justificativa” para deter Gershkovich. “Acreditamos que há uma razão simples para fazer isso, porque ele não fez nada de errado”, disse um porta-voz. “E porque o jornalismo não é um crime.”

“Em última análise”, disse McCarthy, “o futuro de Evan está nas mãos do governo russo e do governo dos Estados Unidos”.

Depois de 1 ano de reviravoltas geopolíticas, perguntei a McCarthy se ela achava que estávamos mais perto de ver Gershkovich libertado. Para ela, há “indicações” de que Vladmir Putin parece aberto a um acordo.

“Sou naturalmente uma pessoa que gosta de pensar que o copo está meio cheio. Gosto de manter esse otimismo e esperança. Eu sei que a família dele sabe”, disse McCarthy. Foi difícil, reconheceu ela, ver a prisão preventiva de Gershkovich, na “notória” prisão de Lefortovo, prorrogada novamente em março.

“Mas cada vez que penso em como é difícil para nós, penso em como é difícil para a família dele. E só penso em como é muito mais difícil para ele”, disse McCarthy. “Não há como parar isso. A única vitória será quando Evan sair de lá.”

O WSJ mantém uma página com informações sobre Gershkovich –incluindo links para suas reportagens, atualizações sobre o seu caso e como escrever uma mensagem para ele e sua família– aqui.


*Sarah Scire é editora adjunta do Nieman Lab. Anteriormente, ela trabalhou no Tow Center for Digital Journalism da Columbia University, Farrar, Straus and Giroux e The New York Times.


Texto traduzido por Gabriel Bandeira. Leia o original em inglês.


O Poder360 tem uma parceria com duas divisões da Fundação Nieman, de Harvard: o Nieman Journalism Lab e o Nieman Reports. O acordo consiste em traduzir para português os textos que o Nieman Journalism Lab e o Nieman Reports e publicar esse material no Poder360. Para ter acesso a todas as traduções já publicadas, clique aqui.